Economia

3 tendências do pós-pandemia

É evidente que os mercados, assim como a economia, não será mais da forma antiga como era conhecia. A pandemia exigiu acelerações e mudanças de hábitos, processos, costumes e modos de agir. Com o passar deste momento conturbado, algumas tendências criadas durante a pandemia será parte do dia a dia dos investimento, separamos 3 tendência que irá fazer parte do pós-pandemia.

1. Taxas de juros baixas por um período maior de tempo

Antes da pandemia a economia se encontrava-se em um momento de queda na taxa de juros, por conta do fraco desempenho dos mercados. Com a pandemia, o processo de queda foi acelerado, o alto endividamento, e a aceleração da economia, da qual vai depender de muitos fatores, as taxas tende a continuar baixas por um período muito maior de tempo. Lembrando que, manter a taxa de juros baixa, é um das formas do governo incentivar o consumo, que consequentemente, estimular o aquecimento da economia.

2. Mundo mais globalizado

A pandemia mostrou ao mundo o quanto muitos países são dependentes da China para importação de insumos, um exemplo, seria os respiradores, houve uma disputa de países para conseguir importar respiradores da China. Hoje, muitos países são dependes dos produtos e insumos que são feitos na China, este cenário, no pós-pandemia tende a mudar, pois provavelmente haverá um número maior de países produtores de insumo, visto a alta demanda e a grande fatia de mercado que a China detém, o que tornaria um mundo mais globalizando, havendo um número maior de parcerias. Uma outra consequência, no médio e longo prazo seria o aumento da inflação em alguns países exportadores de insumo, visto que a demanda aumentará.

3. Aumento do número de pessoas poupadoras

A pandemia tem causado um endividamento da população muito elevado, por conta da maioria não ter vivido este cenário antes, o que pegou muita gente de surpresa, ou pelo simples hábito de não poupar. Com a possibilidade de perder o emprego e ficar sem renda, grande parte das pessoas enxergou, de forma forçada, a necessidade de poupar e ter uma reserva de emergência, sendo assim, com o passar da pandemia, o número de poupadores tende a aumentar, para caso outras crises venham a acontecer, estarem mais preparados, ao menos financeiramente.

O que sabemos ao certo é que a pandemia trouxe e acelerou mudanças, como será daqui para frente? Bom, não sabemos, a crise causou um impacto muito grande no PIB, o que se espera é uma recuperação gradual, que acontecerá devagar, alguns estudos projetos de 1,5 a 2 anos para retornar a níveis antes da pandemia, tudo vai depender do surgimento de uma vacina e quais serão as políticas de recuperação adotadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *